sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

RETA FINAL XI BAZAR BAZAR


Ontem estivemos no local do BaZar para deixar umas coisas preparadas.
Para saber mais coisas interessantes que acontecerão por lá:

++expositores

BORDADOS e PEDRARIAS (por Selma)
Há quatro anos Selma confecciona bordados em chinelos com contas acrílicas. Também confecciona bordados com fitas e trabalhos com tecidos. Está constantemente preocupada em inovar com seus materiais - cores, pedrarias e modelos de sandália.


ACESSÓRIOS (by Tiby)
TIBY, arte feita à mão. Márcia, mais conhecida como TIBY, já trabalhou com diversos tipos de artesanato: bolsas, necessaires, bijuterias... sempre com muito bom gosto e acabamento preciso. Seu diferencial é a exclusividade. Tiby não fabrica duas peças iguais. A certeza de ter um produto só seu.


ARTE EM MADEIRA (por Kata Kapor)
Decoupage, pintura e colagem em diversos objetos: porta papel higiênico; porta coador de café; caixa de chá; porta chaves; porta guardanapos, bandejas, porta jóias, fruteiras, lembrancinhas, entre outros artigos.

COUNTRY, MDF e PATCHCOLAGEM (por Fernanda)
Mais conhecida como “aplicação”, internacionalmente como “apliquée” e agora como “patchcolagem”, essa técnica consiste em aplicar um tecido sobre outro tecido a partir de um molde de corte e colando com cola ou termocolante (conhecido também como papel cola) diretamente na peça a ser feita. A finalização é feita com ponto caseado ou outra decoração. Fernanda faz suas peças em Patchcolagem, e também pintura estilo COUNTRY.


++ artistas SARAU

O performer EVANDRO VARGAS fará a intervenção O PROFETA URBANO.

Participe também do SARAU!

Nós do Núcleo Cênico ProjetoBaZar apresentaremos algumas de nossas músicas de espetáculo.

XI BazarBaZar e Sarau

Qdo: 12/12/2010

Onde: Sede do Núcleo Pavanelli (Rua Salvador Bicudo, 30 - Próximo ao metrô Tucuruvi)

Qto: GRÁTIS

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Preparativos XI Bazar BaZar - Sarau Artístico

Sarau Artístico

Durante o XI Bazar BaZar, a partir das 16h acontecerá um SARAU onde o Núcleo Cênico ProjetoBaZar apresentará algumas músicas criadas especificamente para suas peças teatrais. Também já confirmaram participação:

Grupo ATÉ QUANDO
Nascido em 2009, o grupo guarulhense dirigido por Ale Callegares leva o nome de seu primeiro espetáculo – um musical criado a partir de músicas de Gabriel O Pensador. No Sarau, apresentarão duas cenas desta peça.


Nata Neumann
A artista se apresentará em dois momentos: uma cena do espetáculo Sexo. Paralelo da Loucura (peça que caminha no desafio da poesia em meio à loucura e o desejo); e a intervenção Blues de 5ª e o Espaço Vazio em parceria com Wally (Felipe Oliveira). Wally fará seu blues enquanto Nata entra em cena pra preencher o espaço vazio da melancolia dos acordes de um velho violão.

Para participar do SARAU basta levar uma cena, música, intervenção ou outra manifestação artística. As inscrições são feitas na hora.



E para mais nostalgia, imagens do VI Bazar BaZar no Vila Paris Futebol Clube






domingo, 5 de dezembro de 2010

Notícias do XI Bazar BaZar

De hoje até domingo dia 12 acompanhe os preparativos para o XI Bazar BaZar!

Vamos começar falando sobre alguns expositores já confirmados:


ARTE EM JORNAL (por Deborah Vinha)
Há nove anos a marca Arte Em Jornal desenvolve com papel de jornal e revistas canudinhos que, tramados, dão forma a peças utilitárias e decorativas. Envernizados ou crus, os porta chaves, abajures, cestos, fruteiras, quadros, oratórios, porta revistas, luminárias, dão charme a qualquer ambiente.


BONECOS DE PANO (por D. Cida)
O trabalho da Dona Cida é desenvolvido há 10 anos, sempre usando materiais como tecidos popeline ou tricoline, com enchimento anti-alérgico. As bonecas criadas pela artesã são todas laváveis.



Como sempre fez a grande maioria dos seus colares e muitos cobiçavam, Márcia foi incentivada pelas pessoas a começar a fazê-los para vender. Há quatro anos faz colares, pulseiras, chaveiros, brincos, gargantilhas e outros acessórios. As peças são feitas em contas acrílicas, madeiras, metais, etc.


E para recordar, algumas fotos do 10º BazarBaZar realizado na Casa das Caldeiras (São Paulo):

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

PROJETO BAZAR E O MTR/SP

Vinte e dois grupos de todo o Brasil apresentaram seus trabalhos durante a 5ª Mostra de Teatro de Rua Lino Rojas que ocorreu entre os dias 5 e 14 de novembro nas ruas da cidade de São Paulo.

Realizada pelo Movimento de Teatro de Rua de São Paulo (MTR-SP), a Mostra acontece todos os anos desde 2005 graças a diversos patrocínios conquistados com muito suor e insistência pelos integrantes do movimento.

Todos os anos a Mostra homenageia um grande nome do teatro popular brasileiro. Este ano o(s) agraciado(s) foi(ram) o Movimento de Teatro Popular de Pernambuco (MTP/PE) que resiste firmemente com o passar dos anos por meio de ações que propiciam levar o questionamento e a reflexão à população do Recife-PE, objetivando o tratamento digno dos gestores públicos para com os grupos de teatro popular:

"Somos resistentes, Lutamos contra os absurdos cometidos por aqueles que se autodenominam 'gestores públicos'. Não estamos mortos… por isso seguimos em frente disponibilizando nossos trabalhos em busca de dias melhores."

A homenagem ocorreu no palco do Teatro Estúdio 184 durante a abertura da mostra. Os homenageados subiram ao palco já mostrando a que vieram, cantando suas músicas de trabalho, dançando e tocando seus instrumentos, o que emocionou bastante a assistência e os produtores da mostra que entregaram a placa confeccionada especialmente para a ocasião em mãos aos homenageados.


Crédito da foto: Augusto Paiva



São integrantes do MTP atualmente os grupos "Amanhã Eu Digo o Nome; "Arteiros"; "Grupo Coquearte"; "Grupo de Teatro Popular Vem Cá Vem Vê"; Drão de Teatro; Ifá-Rhadha de Art`Negra; "POESIS - Grupo Cultural do Alto José do Pinho"; "TEAMU e Cia".

Além de alguns grupos do MTP, a mostra também contou com integrantes de Belém do Pará, Brasília, Porto Alegre, Curitiba e São Paulo. A seguir, seguem algumas imagens da mostra:



Crédito das fotos: Augusto Paiva


As apresentações chamaram a atenção de transeuntes, trabalhadores, turistas e moradores de rua dos locais onde estiveram. Ocorreram em 4 regiões da cidade (Central, Norte, Sul e Leste) pois um dos objetivos da mostra é descentralizar o teatro de rua, levando seus espetáculos para as mais diversas comunidades da cidade.

O Projeto Bazar esteve em todos os momentos da mostra contribuindo na produção. Nossa Diretora Geral Aurea Karpor foi uma das integrantes da "tropa de choque feminina", ao lado de outras mulheres do MTR/SP, que enfrentou esta guerra que é produzir teatro popular em São Paulo. Junto com ela estiveram os integrantes Leandro Caldarelli (este que vos escreve), ajudando em todo o operacional da mostra e Mariana Galeno, que recebeu nossos amigos do MTP/PE no aeroporto.

Foi uma semana de muita curtição e aprendizado de vida, observando o trabalho diferenciado que os grupos de teatro popular desse brasilzão estão realizando, respirando arte, cultura popular e folclore e, é claro, bebendo inspiração e trocando informações e técnicas para nosso próximo espetáculo que será de rua.

Parabéns a todos que fizeram esse movimento acontecer!

EVOÉ!!!!!
por Leandro Caldarelli



segunda-feira, 22 de novembro de 2010

XI Bazar BaZar!!!

Vem aí o XI Bazar BaZar, dia 12 de Dezembro!
Em breve novidades sobre os expositores, fotos das edições anteriores e muito mais!
Fiquem atentos!
Desta vez contamos com o fundamental apoio do Núcleo Pavanelli de Teatro.
Nossos agradecimentos especiais!!!
Quer participar?
Entre em contato conosco e saiba como:


terça-feira, 14 de setembro de 2010

PROJETOBAZAR CONTINUA...

É isso aí. Seguimos adiante, e não fomos selecionados pelo Fomento novamente.

De qualquer forma, como sempre, continuamos com nossa pesquisa que segue acompanhada de gente muito bacana.

Durante esse tempo tivemos alguns encontros.

A primeira novidade é a presença de 3 atores convidados que entram para colaborar conosco no projeto do ULTRAJE PÚBLICO AO PUDOR: Beatriz Barros, Rodrigo Costrov e Gilberto Costa (os três integrantes do Teatro Provisório de Guarulhos).



Claro que as colaborações não páram por aí: na direção temos GIRA DE OLIVEIRA (da Cia Lúdicos de Teatro Popular e também ator do nosso primeiro espetáculo IRA) ; na dramaturgia Jhaira; como preparadora vocal Luciana Galeno e preparadora corporal Mary Brambilla.

Fotos do nosso primeiro encontro com Gira de Oliveira e Jhaira (dia 25/08/2010):






Pessoas especiais que já estão enriquecendo nosso trabalho com seus talentos. GRATOS por estarem conosco!



quinta-feira, 26 de agosto de 2010

NA ILHA - Salão do Livro de Guarulhos 2010

Em Maio de 2010 estivemos com o espetáculo infantil NA ILHA... no Salão do Livro de Guarulhos.




As fotos são da temporada no Teatro Commune realizada em 2009. Crédito: Juliana Pacheco.


Não temos vídeo do espetáculo ainda, mas nosso amigo AUDI gravou essas imagens com seu celular no Salão do Livro:

sábado, 14 de agosto de 2010

MARÇO 2010 - DDP4469 em Curitiba

Depois de alguns ajustes e com elenco novo fomos ao FRINGE apresentar DDP4469 no ACT, onde tb conhecemos o pessoal do grupo "proposta a 6" do RJ.

Vejam algumas fotos:
(crédito: Juliana Hilal / clix.fot.br)




quinta-feira, 12 de agosto de 2010

EXPOSIÇÃO BAZAR

No final de nossa ocupação no Teatro de Arena Eugênio Kusnet, tivemos a oportunidade de montar uma exposição com objetos de cena, vídeos a respeito de nossa trajetória.

Interessante para que nós mesmos revisitássemos cada momento até a criação de nossos espetáculos, rever colaboradores, comemorar.

Fotos crédito LIA ONO.





Vídeo crédito CINTHIA FABRIS

terça-feira, 3 de agosto de 2010

04/02/2010 - Debate QUE AMORES SÃO ESSES

Tema: TEATRO OFICINA
Convidados: Marcelo Drummond e Ferdinando Martins.


“O Teatro Oficina rompe com a lógica do censor. Já pela metade da década de 60, o censor se deparava com as peças do Oficina e não sabia o que fazer com elas. Um caso bastante emblemático é a censura da peça Inimigos que variou de livre a 18 anos. Isso já revela a confusão que o Oficina provocou nos padrões de censura então vigentes.”
Prof. Dr. Ferdinando Martins



“A sexualidade é censurada. Isso é muito importante. Ela é censurada até hoje. Desde os meios de comunicação (...) a TV é assim: na verdade ela tem aquela sexualidade plástica que vende, ou ela censura.”
Marcelo Drummond

03/02/2010 - Força Fértil ou DDP5157

FORÇA FÉRTIL
ou DDP5I57 PRIMEIROS EXPERIMENTOS
I BAZAR DRAMATURGIA
EXERCÍCIO DRAMATÚRGICO CRIADO A PARTIR DO PROCESSO DE CENSURA DA PEÇA “A SEMENTE” DE GIANFRANCESCO GUARNIERI (montagem do TBC). I96I.
Coordenação do Workshop de Dramaturgia: William Costa Lima
Colaboração: Jhaíra
Direção final: Aurea Karpor


Participaram: Beatriz Valsechi, Bruna Tavares, Larissa Clarete, Bruno Delmiro, Daniela Santos, Bruno Lourenço, Dionatas Custódio, Karina Moraes, Beatriz Barros, Mariana Brambilla, Roney dos Anjos, Caroline Carvalho, Alessandro Zaharur, Larissa Costa, Mayra Guanaes, Paula Klaus Duarte, Alexandre Callegares, Nata Neumann, Fernando Pivotto, Juliana Adorno, Renan Almeida, Thais Rodrigues, Mariana Galeno, Leandro Caldarelli, Tiago Zandarim, Aurélio Prates, Roseane Castilho.

Escolhemos o tema FERTILIDADE e CICLO DE VIDA como mote para este experimento. A partir dos documentos do processo de censura da peça A SEMENTE, do próprio contexto da peça, e de outras questões levantadas durante o desenrolar do workshop, nasceu a dramaturgia de FORÇA FERTIL ou DDP5157 PRIMEIROS EXPERIMENTOS.



O Workshop BAZAR DRAMATURGIA fez parte da programação do projeto “QUE AMORES SÃO ESSES?” do Núcleo Cênico ProjetoBaZar.

Realização: Núcleo Cênico ProjetoBaZar da Cooperativa Paulista de Teatro
Apoio: FUNARTE

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

ATUALIZAÇÕES



Após um longo período ausente de informações, sinto-me na obrigação de atualizar o que houve desde a última postagem até aqui.

Como já previa nosso cronograma, tivemos no dia 04/02 um debate incrível com Marcelo Drummond e com o mais que querido Prof. Dr. Ferdinando Martins, a respeito do Teatro Oficina. Participaram do debate 20 pessoas. Uma conversa acalourada e muito produtiva.


Dia 03 /02 ocorreu a apresentação de: FORÇA FÉRTIL ou DDP5I57 PRIMEIROS EXPERIMENTOS - EXERCÍCIO DRAMATÚRGICO CRIADO A PARTIR DO PROCESSO DE CENSURA DA PEÇA “A SEMENTE” DE GIANFRANCESCO GUARNIERI (montagem do TBC). I96I.
Coordenação do Workshop de Dramaturgia: William Costa Lima
Colaboração: Jhaíra
Direção final: Aurea Karpor

Em Fevereiro, seguimos em temporada com o espetáculo IRA, do nosso repertório. Foi verdadeiramente incrível esta experiência. Recebemos neste período as impressões de Valmir Santos a respeito deste espetáculo e de DDP4469 também, o que nos ajudou muito a repensar os rumos de nossa pesquisa. Conseguimos concretizar um trabalho com o público (casa cheia todos os dias) inesperado, tendo em vista que estreamos em 2006 essa peça, e a cada dia de apresentação ganhava um novo significado.

Ainda no mesmo mês, montamos uma exposição com objetos de cena dos nossos espetáculos na sala Augusto Boal do Teatro de Arena. Uma perspectiva da nossa história que está apenas começando.

Em Março revisitamos DDP4469, com o apoio da grande amiga, diretora e atriz, entre outras coisas, Simone Carleto. Apresentamos em Guarulhos, no Teatro Nelson Rodrigues e com um elenco modificado (eu acabei entrando nessa) apresentamos também em Curitiba. O FRINGE nos rendeu outras tantas observações e um encontro incrível com o pessoal do grupo Proposta A6 do Rio de Janeiro.

Em Abril retomamos o nosso infantil NA ILHA... com apresentação no Salão do Livro e no Teatro Nelson Rodrigues (praticamente nossa segunda casa) em Guarulhos.

Iniciamos também outra pesquisa de infantil, mas isso com calma, mais pra frente, falaremos.

Mudamos o nome do nosso projeto para ULTRAJE PÚBLICO AO PUDOR, decidimos ir pra rua com nosso ultraje e inscrevemo-nos para a 17ª edição da Lei de FOMENTO AO TEATRO de São Paulo. Será uma longa caminhada em busca dessa linguagem, nova pra gente.
Participei, representando o núcleo, do FORUM da 5ª Mostra de Teatro de Rua Lino Rojas. Lá comecei a entender melhor esse universo, e tive a impressão que escolhemos o caminho certo para o que temos a dizer.

A respeito de tudo isso, faremos tópicos específicos aqui em nosso BLOG.

EVOÉ!!!

Aurea Karpor

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

28/01 - DEBATE QUE AMORES SÃO ESSES?

Tema: Arquivo Miroel Silveira e a Censura Moral
Dia 28/01 às 21h
Convidados: Prof. Dra. Maria Cristina Castilho Costa; Prof. Dra. Mayra Rodrigues Gomes e Prof. Dra. Roseli Figaro.



Professoras Maria Cristina Castilho Costa, Roseli Fígaro e Mayra Gomes respectivamente.

Maria Cristina Castilho Costa possui Bacharelado e Licenciatura em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1973), Mestrado em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela Universidade de São Paulo (1985) e Doutorado em Ciências Sociais (Antropologia Social) pela de São Paulo (1990). É Livre-Docente em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Atualmente é Professora Associada da Universidade de São Paulo, Presidente da Comissão de Pesquisa da ECA/USP, Coordenadora do Curso de Especialização Lato Sensu Gestão da Comunicação e editora da Revista Comunicação & Educação. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Artes e Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação, arte, educação, sociologia e comunicação digital. Coordena o Projeto temático - A cena paulista - estudo da produção cultural de São Paulo, de 1930 a 1970, a partir do Arquivo Miroel Silveira da ECA/USP.

Mayra Rodrigues Gomes, Professora Titular do Departamento de Jornalismo e Editoração da ECA-USP, possui Bacharelado e Licenciatura em Filosofia pela Universidade de São Paulo, Mestrado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, Doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, Pós-Doutorado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Livre Docência em Ciências da Comunicação pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Atua nas áreas de teoria da comunicação, filosofia da linguagem, psicanálise, tendo o jornalismo, e a produção midiática em geral, como foco de reflexão. É uma das pesquisadoras principais junto ao projeto temático A cena paulista - estudo da produção cultural de São Paulo, de 1930 a 1970, a partir do Arquivo Miroel Silveira da ECA/USP , apoio FAPESP, em que desenvolve linha de pesquisa sobre palavras censuradas. Lidera, ainda, proposta pedagógica para as disciplinas que ministra na graduação e projeto de pesquisa sobre o jornalismo face ao direito de livre expressão, atividades com apoio do CNPq

Roseli Aparecida Fígaro Paulino possui pós-doutorado pela Universidade de Provence, França (2007), doutorado(1999) e mestrado (1993) em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo; e graduação em Jornalismo pela Faculdade de Comunicação Social Casper Líbero (1981). Atualmente é professora doutora na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. É coordenadora do Grupo de Pesquisa Comunicação e Trabalho; pesquisadora principal do Projeto Temático A censura em Cena, do Grupo de Pesquisa do Arquivo Miroel Silveira. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Linguagem Verbal e Teorias da Comunicação, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação e mundo do trabalho, gestão da comunicação, e comunicação/educação.

Resumo dos Currículos retirados da Plataforma Lattes.


Participaram do debate 15 pessoas.

21/01 - DEBATE QUE AMORES SÃO ESSES?


Tema: “O Feitiço” / Teatro de Revista
Dia 21/01 às 21h
Convidado: Flávio Porto

“Quando eu era criança eu ouvia falar de teatro de revista como uma coisa licenciosa, naquela época eu não tinha noção, talvez o “imoral” fosse o termo mais comumente utilizado a respeito do teatro de revista.”
Flávio Porto
Flávio Luiz Porto e Silva
Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade de São Paulo (1971). Atualmente é Professor Adjunto da Fundação Armando Álvares Penteado.
Participaram do debate 10 pessoas.

Fotos:
Crédito: Paula Dalazen

20/01 - BAZAR DRAMATURGIA

Sobre o Debate "Bazar Dramaturgia do dia 20 de janeiro".
Por William Costa Lima




Nesse último dia 20 de janeiro recebemos em nossa série de debates do "Bazar Dramaturgia" o dramaturgo Luis Fernando Marques(Grupo XIX de Teatro) e Ana Roxo (Dramaturga do espetáculo Gardênia).

Vale relatar aqui a potência desse encontro, que teve o o gosto da estimulante discussão do teatro feito hoje. E seria impossível fugir desse hoje, uma vez que contávamos com a presença da inquietude de dois jovens artistas atuantes da cena teatral paulistana.

A conversa começa com ambos memorando o que acreditam ser suas primeiras experiências com a palavra escrita para o teatro. A seguir, caímos no encontro dos dois "Dramaturgos" dentro de um mesmo curso de formação de atores da Escola de Arte Dramática(Eca/Usp). E a frase capaz de resumir esse encontro só poderia ser: "Expulsos da aula de corpo".

Luis Fernando Marques, expôs boa parte da sua experiência como dramaturgo no grupo XIX de Teatro e em outros processos, fazendo objetivas colocações sobre a possibilidade de detonar um processo à partir de um documento (Carta, processo/arquivo...). Mais do que um dramaturgo, Luis, reafirmou-se como um editor de histórias.

Já na fala da dramaturga Ana Roxo, podia se notar alguém disposta a contar histórias, alguém disponível a uma dramaturgia ficcional. Ana, relatou os seus procedimentos na criação por encomenda e do como se apropria dentro desse processo, usando como experiência o seu trabalho com a cia Delas de Teatro e "Gradênia", sua livre inspiração para "O Amor nos Tempos de Cólera" de Grabriel Gracía Márquez.

Vale relatar aqui também parte da discussão sobre a palavra "contemporâneo", por vezes mencionada pela instigada e instigante platéia. Ana e Luis, refletiram sobre a iminência de ser contenporâneo. "Não entendo porque a preocupação em ser contenporâneo. Nos resta outra opção? Acordar, já é ser contenporâneo", diz a dramaturga. A seguir ambos divagam com o público presente sobre o evento cênico; o teatro como lugar de encontro.

E o que podemos dizer mais sobre esse encontro? Podemos lembrar aos que lá estiveram e dizer aos que não estiveram, que dia 20 de janeiro de 2010, às 20h, aconteceu de maneira leve e simples um encontro sincero entre público e platéia, onde mais do que discutir o teatro e suas vias, pessoas pareciam dispostas a refletir o humano, e repito: "Com sinceridade".

E foi doce.

14/01 - DEBATE SOBRE ARTE E TECNOLOGIA

LÚCIO AGRA E VJ PALM DESMISTIFICAM A “TECNO ARTE”
por Leandro Caldarelli (ator)

Jogos de luzes, microchips, “trackers”, arduínos, sensores ópticos e projeções de vídeo aliadas à antiga arte da interpretação são temas de debate do projeto “Que Amores São Esses?” que ocorreu no dia 14 de janeiro no Teatro de Arena Eugênio Kusnet. Começamos com nosso parceiro Lúcio Agra nos dando um panorama histórico geral de como ocorreu a fusão “teatro + tecnologia” dando origem aos primeiros espetáculos com mecanismos analógicos de movimentação de cenários e efeitos especiais, por volta das décadas de 20 – 30. Algumas dessas engenhocas desenvolvidas por Erwin Piscator (1893 – 1966) que, em suas experimentações com o teatro épico, dava vida a bonecos, movimentavam plataformas e utilizavam projeções de vídeo. Agra nos fez viajar pela trajetória da tecnologia no teatro, passando pelo período pós-guerra em que nasceu a primeira noção de performance como algo que não era dança, não era teatro e não era artes plásticas e sim um misto de tudo isso levando a cena às últimas conseqüências para envolver o público, sempre utilizando os recursos tecnológicos em favor da mesma. Discorreu então sobre o Living Theater americano, com o “happening” trazendo um novo conceito de teatro em que o público já não era mais espectador da obra e sim parte dela. Adentramos na era contemporânea em que a tecnologia digital invadiu os palcos por definitivo acrescentando cada vez mais elementos ao teatro e deixando o mesmo com mais cara de performance. Depois foi a vez de Ricardo Palmieri nos imergir no universo do teatro tecnológico pós moderno nos apresentando alguns grandes nomes da cena mundial.



No vídeo acima, podemos ver a performance “Messa di Voce” do artista americano Golan Levin em 2003, que começou como engenheiro e descobriu a arte na tecnologia. A maioria de suas obras são performances ou instalações nas quais ele se utiliza de projeções, sensores de som, câmeras que captam a movimentação e muita criatividade para fazer com que o seu público experimente as sensações de sua arte por completo.


Body Navigation (8 min. trailer) from ole kristensen on Vimeo.



Aqui assistimos a instalação “Body Navigation” do artista dinamarquês Ole Kristensen, que se utiliza da mais moderna tecnologia de sensores de movimentação corporal e projeções para criar ambientações com as quais os atores e dançarinos possam interagir criando desenhos, imagens, jogos e brincadeiras que enchem os sentidos do público. Em seguida, fomos elevados ao nível das grandes performances ao ar livre com esse vídeo

-

do grupo espanhol La Fura dels Baus em sua magnífica “Naumachia”. O La Fura Dels Baus, se utiliza de engenhocas gigantes e apresentações chocantes que misturam muito das artes circenses com a tecnologia de luzes e projeções para imergir o público em um estado de adrenalina e êxtase. Passamos também pelo grupo Royal De Luxe que se utiliza de bonecos gigantes como o La Fura, mas no meio das ruas,



passando de cidade a cidade, envolvendo públicos distintos e habitats diversos para contar suas histórias. Por fim, Palmieri nos apresentou seu trabalho e a tecnologia utilizada por ele para criar e executar sua arte nos mais diferentes tipos de espaços e linguagens - sempre agregando o público como parte da criação e não apenas como espectador, deixando espaço para que o mesmo deixe sua marca nas obras.



Nessa instalação Palmieri desenvolveu um sistema de câmeras que captam o movimento do indivíduo que se encontra na sala e dispara vídeos de celulares sendo destruídos.



Aqui, o robô, programado para ficar “perdido” no ambiente, conforme passeia sobre o mapa, dispara vídeos com cenas das ruas da cidade.



Nessa cozinha, o “lance” era fazer uma sopa de olhos. A projeção dos olhos feita sobre a água fervente era contínua. O público poderia entrar na cozinha e fazer qualquer receita sobre sopa de olhos.



Esse último vídeo é a introdução de seu mais recente trabalho audiovisual nos palcos em parceria com a Cia. Les Commediens Tropicales, o espetáculo “O Pato Selvagem” de Henrik Ibsen do qual fez parte da criação cenográfica. É uma vídeo-colagem feita por Carlos Canhameiro. Entre outras tecnologias que Palm nos apresentou, duas são as mais peculiares: a primeira é a utilização do Wiimote e do Nunchuk (joysticks do vídeo-game Nintendo Wii) como instrumentos musicais virtuais para criação musical. Ele os conecta via Bluetooth a um PC, utilizando um software específico, e através dos movimentos de suas mãos que são detectados e codificados pelo computador, consegue imitar sons como se tocasse os próprios instrumentos. A outra é a utilização de arduínos, pequenas placas de recepção e armazenamento de informação que conseguem transformar informações captadas por microchips, espalhados pelo meio ambiente e ligados a algum veículo de mídia específico, como uma webcam, em informação digital, a distâncias grandes. Com isso, conseguimos, por exemplo, captar imagens de um espetáculo apresentado em um teatro e exibi-las em outro teatro próximo ao vivo sem a utilização de nenhum tipo de cabeamento. Em suma, o debate que era pra ser sobre a utilização do audiovisual no teatro, acabou em uma grande aula sobre a tecnologia de ponta disponível a preços acessíveis no mercado e as milhares de aplicações das mesmas na arte, seja ela teatral ou não. Tocou também no fato de como é de fácil, mesmo sem grandes conhecimentos específicos, através da utilização da internet como meio de pesquisa, tornar-se apto a desenvolver infinitos tipos de engenhocas que dialoguem com o ambiente artístico; algo que na década de 20, quando começou a despontar, era sofrido e levava muito tempo para ser testado e realizado. Arte e tecnologia... E aí? Vai encarar?

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

SEGUNDA SEMANA

Pois é! Já estamos a mil logo no primeiro mês do ano! Na semana entre os dias 11 e 17 tivemos: - SEXO VERBAL FRAGMENTOS no projeto 4/3as no Teatro Nelson Rodrigues em Guarulhos. Pessoas vendo e revendo o espetáculo, público garantido em plena Terça-Feira! Foi surpreendente a nossa aceitação. Jornais e rádios cobriram, um projeto que tem tudo pra estourar! Somos gratos à prefeitura de Guarulhos por mais este espaço!


- IRA - apresentamos para 73 pessoas o espetáculo que originou nossa linha de pesquisa em plena quarta-feira! Estiveram presentes integrantes do Pequeno Teatro de Torneado, alguns amigos, membros queridos da equipe da FUNARTE (Lia, Roberto Marti, Jerry) e um público bem animado!!! Estamos felizes de prosseguirmos com IRA!!!


- DEBATE QUE AMORES SÃO ESSES com LÚCIO AGRA e VJ PALM. Fascinante! Aproveitamos a deixa pra indicar a Cia Les Commediens Tropicales, que está em cartaz com seu repertório no SESC SANTANA e conta com a colaboração do VJ PALM.

video

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

CONVITES PARA NOSSA PROGRAMAÇÃO

Hj teremos mais uma vez, gratuitamente, o espetáculo IRA, adaptação do livro "Xadrez, Truco e Outras Guerras" de José Roberto Torero.

Será às 21h no TEATRO DE ARENA EUGÊNIO KUSNET.

Já amanhã, dia 14/01, às 21h, ocorrerá no TEATRO DE ARENA EUGÊNIO KUSNET o terceiro debate do projeto Que Amores São Esses?, sob curadoria de Carlos Canhameiro, um estudo iniciado pelo Núcleo Cênico ProjetoBaZar em março de 2009, no Casarão Belvedere. A discussão dessa série de debates são as relações entre teatro, censura e outras linguagens.

Nesse dia 14 de janeiro de 2010 (os debates se estendem - 21 e 28 de janeiro e 4 de fevereiro de 2010) o tema será TEATRO E LINGUAGEM VISUAL com os debatedores RICARDO PALMIERI e LÚCIO AGRA.

Ricardo Palmieri



(crédito da foto: Pan&tone)

Ricardo Palmieri (vj palm) é arquiteto, produtor multimídia e pesquisador de ferramentas livres para produção artística. Desde 1998 vem dialogando com as potencialidades do uso do computador nos processos de produção de sistemas ubíquos.
Iniciou seus trabalhos artísticos junto com o prof. Renato Cohen no grupo Midia Ka, e trabalhou como vj (video jockey) em festas e raves, incluindo participações em encontros como VJBR I no MIS-SP, e paticipações no evento Hypersonica do FILE-SP.
Desde 2003 é usuário e ativista de softwares e hardwares livres em diversas plataformas, e pesquisa produção de multimídia em tempo real (interatividade, livecoding e circuitbending), bem como sistema inteligentes para a geracao de conteudos automatos.
Atualmente é coordenador do IntLab?.cc (media lab em São Paulo) e consultor de mídias interativas customizadas para artistas multimidia e eventos de publicidade. É tambem professor do centro Universitario SENAC no curso de Design de Interfaces e oficineiro de sistemas interativos para nao programadores no LabMIS (Museu da Imagem e do Som de SP).



Lucio José de Sá Leitão Agra

(foto: Currículo Lattes)


Lucio Agra possui graduação em Bacharel mm Letras Português Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1982), graduação em Licenciatura Em Letras Português Literaturas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1982), mestrado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1993) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1998). Atualmente é professor do Centro Universitário SENAC no Mestrado em Design (Campus Santo Amaro) e nos cursos de graduação lato sensu em Design Gráfico e Criação de imagem e som em meios eletrônicos (unidade Lapa); professor adjunto da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo na Graduação em Comunicação e Artes do Corpo (habilitação em performance). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Semiótica das Artes, atuando principalmente nos seguintes temas: poesia - poética - novas tecnologias, performance - artes do corpo, performance, poesia - poesia eletrônica e digital e performance- arte, tecnologia e vanguardas.


Que Amores São Esses?
“Que amores são esses?” é um projeto realizado no Teatro de Arena, com apoio da Funarte, composto pelo espetáculo “DDP4469”, criado a partir dos vetos de censores sobre a obra Perdoa-me por me Traíres, de Nelson Rodrigues e por debates e workshops sobre o tema.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

PRIMEIRA SEMANA DE 2010!

Dias 06 e 07 de Janeiro voltamos das férias para ensaios no Teatro de Arena Eugênio Kusnet. Ensaiamos como há tempos não tínhamos tempo para fazer. Literalmente ensaio suado, mas que renderam muito!



Logo no primeiro final de semana dos dias 08, 09 e 10 tivemos um bom público com direito a aplauso em cena aberta (assembléia de artistas) e contando com espectadores do Rio de Janeiro, grupo de Guarulhos e até uma visitante portuguesa, pesquisadora em letras.

O primeiro workshop de dramaturgia também reuniu bastante gente às 10h da manhã do segundo domingo do ano.

Seguimos nossa jornada!

PB em 2010

Iniciamos o ano já com ensaios apresentações e uma agenda cheia de coisas boas!

Vejam nossa agenda (por enquanto)e um EXCELENTE 2010 PARA TODOS!!!

OBS: os eventos que não constam informações do local, serão no TEATRO DE ARENA EUGÊNIO KUSNET pelo projeto "QUE AMORES SÃO ESSES?"

08/01 - Apresentação DDP4469 21h
09/01 - Apresentação DDP4469 21h
10/01 - Bazar Dramaturgia Workshop às 10h
10/01 - Apresentação DDP4469 20h
12/01 - Apresentação SEXO VERBAL - fragmentos às 21h no Teatro Nelson Rodrigues em Guarulhos
13/01 - Apresentação IRA 21h
14/01 - Debate Que Amores São Esses? Tema: Teatro e Linguagem Visual com RICARDO PALMIERI e LÚCIO AGRA
15/01 - Apresentação DDP4469 21h
16/01 - Apresentação DDP4469 21h
17/01 - Bazar Dramaturgia Workshop às 10h
17/01 - Apresentação DDP4469 20h
20/01 - BAZAR DRAMATURGIA CONVIDA com ANA ROXO e LUIS FERNANDO MARQUES às 20h
21/01 - Debate Que Amores São Esses? Tema: O FEITIÇO / TEATRO DE REVISTA
22/01 - Apresentação DDP4469 21h
23/01 - Apresentação DDP4469 21h
24/01 - Bazar Dramaturgia Workshop às 10h
24/01 - Apresentação DDP4469 20h
27/01 - Apresentação IRA 21h
28/01 - Debate Que Amores São Esses? Tema: Arquivo Miroel Silveira com a Professora Doutora Maria Cristina Castilho Costa
29/01 - Apresentação DDP4469 21h
30/01 - Apresentação DDP4469 21h
31/01 - Bazar Dramaturgia Workshop às 10h
31/01 - Apresentação DDP4469 20h
02/02 - Apresentação IRA 21h
04/02 - Debate Que Amores São Esses? Tema: TEATRO OFICINA
05/02 - Apresentação DDP4469 21h
06/02 - Apresentação DDP4469 21h
07/02 - Apresentação DDP4469 20h
09/02 - Apresentação SEXO VERBAL - fragmentos às 21h no Teatro Nelson Rodrigues em Guarulhos

25/03 (quinta) - Apresentação DDP4469 no espaço ACT no FRINGE em CURITIBA às 12h
26/03 (sexta) - Apresentação DDP4469 no espaço ACT no FRINGE em CURITIBA às 15h
27/03 (sábado) - Apresentação DDP4469 no espaço ACT no FRINGE em CURITIBA às 18h
28/03 (domingo) - Apresentação DDP4469 no espaço ACT no FRINGE em CURITIBA às 21h

domingo, 3 de janeiro de 2010

O QUE FIZEMOS EM 2009

JANEIRO - seguimos temporada do espetáculo SEXO VERBAL

FEVEREIRO - seguimos temporada de espetáculo SEXO VERBAL

MARÇO - mês cheio: fomos pela primeira vez ao FRINGE em Cutitiba com o espetáculo MISSA DO GALO/ realizamos a primeira série de debates QUE AMORES SÃO ESSES?/ seguimos temporada do espetáculo SEXO VERBAL

ABRIL - fechamos em 5 meses de temporada do espetáculo SEXO VERBAL

MAIO - participamos do II FORUM CULTURAL da UNESP de PRESIDENTE PRUDENTE com o espetáculo IRA e com a contação de histórias MEU AMIGO JIM que seria a semente do nosso primeiro espetáculo infantil/ apresentações de SEXO VERBAL em Campinas com direito a uma excelente recepção por RIGOLLETO produções

JUNHO - MOSTRA BAZAR EN-CENA no TEATRO COMMUNE com IRA, MISSA DO GALO e o infantil NA ILHA, NA VILA OU NO MAR: NUNCA DEIXE DE VOAR!/ Recebemos o prêmio CIDADANIA EM RESPEITO À DIVERSIDADE pelo projeto SEXO VERBAL

JULHO - Início das pesquisas do projeto "QUE AMORES SÃO ESSES?"

AGOSTO e SETEMBRO - visitas ao ARQUIVO MIROEL SILVEIRA e definições dos processos que dariam base à nova dramaturgia.

OUTUBRO - incrição para o edital da FUNARTE.

NOVEMBRO - fomos selecionados para ocupar o TEATRO DE ARENA EUGÊNIO KUSNET com o projeto QUE AMORES SÃO ESSES?!!!/ Apresentação de SEXO VERBAL - fragmentos no Teatro Nelson Rodrigues em Guarulhos pelo projeto 4/3as/ ESTREAMOS DDP4469.

DEZEMBRO - ocupando o ARENA: DDP4469 / workshop/ debates/ encontro com dramaturgos e...

BOAS FESTAS!!!

CONCLUÍDA PRIMEIRA FASE DO PROJETO "QUE AMORES SÃO ESSES?"

Ao encaminhar o projeto QUE AMORES SÃO ESSES para o edital de ocupação do Teatro de Arena Eugênio Kusnet, nos propusemos a investigar a influência da censura moral na cena paulista nas décadas de 50 e 60, a partir de cinco dos processos de espetáculos contidos no Arquivo Miroel Silveira – pertencente à Biblioteca da ECA - USP: “Perdoa-me por me traíres” de Nelson Rodrigues encenada pela Companhia de Comédia Jayme Costa; “O Feitiço” de Oduvaldo Viana Filho encenada pela Cia de Nydia Licia; “A Serpente” de Gianfrancesco Guarnieri encenada pelo TBC; “O Testamento do Cangaceiro” de Francisco de Assis encenada pelo Teatro de Arena e “O Rei da Vela” de Oswald de Andrade encenada pelo Teatro Oficina.

Ao escolhermos trabalhar com este tema, sabíamos que seria um trabalho de extrema responsabilidade, e somado ao fato de sermos selecionados entre os projetos encaminhados (certamente também merecedores), tal responsabilidade ganha maior proporção.

Somos cientes da importância histórica deste espaço que ocupamos, principalmente à nossa pesquisa, e poder desenvolvê-la no ARENA é muito significativo. A cada dia ocupando este teatro, reafirmamos a importância do apoio que a FUNARTE nos proporciona, e aproveitamos este relato para agradecer a toda a equipe que nos recebeu de forma tão acolhedora.

Vale ressaltar que nossa convivência com a Cia Rodamoinho, com quem dividimos esta ocupação, tem sido enriquecedora. Procuramos desde o primeiro contato manter respeito mútuo e espírito colaborativo, fazendo com que nossos trabalhos caminhassem juntos e em harmonia. Fomos presenteados pelo extremo profissionalismo e carinho da Cia Rodamoinho para conosco.

Nesta primeira fase da ocupação do Teatro de Arena Eugênio Kusnet, pudemos mergulhar em nossa pesquisa a respeito da censura ao teatro paulista por meio da programação que realizamos com apoio da FUNARTE.

Chico de Assis é história viva. Poder saber do próprio autor suas experiências com a censura, sobre o espetáculo O TESTAMENTO DO CANGACEIRO e seus processos de criação dramatúrgica foi verdadeiramente enriquecedor. Como nossa pesquisa gira em torno da censura moral influenciando a cena paulista, ouvir de Chico que seu maior problema nessa época era a igreja, afirma nossas hipóteses. Também Neyde Veneziano e Alberto Guzik, durante os debates QUE AMORES SÃO ESSES, falam dessas questões morais na sociedade paulista e os processo de censura de PERDOA-ME POR ME TRAÍRES e de A SEMENTE reiteram essa afirmação com documentos de escolas católicas e instituições paroquiais solicitando cortes e vetos.

Cabe aqui falar que convidamos o espetáculo “DIAS DE CAMPO BELO”, dramaturgia de William Costa Lima inspirada nas relações masculinas do espetáculo Rasga Coração, por ser também congruente à nossa pesquisa e ao que o edital de ocupação deste teatro propõe. Tivemos, num dia de apresentação desta peça, a oportunidade de conhecer um colega de infância de Vianinha, que nos relatou histórias interessantíssimas.

Tais experiências só são possíveis graças à iniciativa de apoio cultural governamental e também ao histórico local, de tantas realizações e conquistas que se mantém até hoje influenciando nossa geração.

Claro que falar de um tema como a censura e estar num local tão importante gera polêmica... enfrentamos alguns "obstáculos" pelo caminho. Mas os obstáculos foram feitos para serem ultrapassados e é o que estamos fazendo!

Seguimos com nossa pesquisa!

PESSOAS IMPORTANTES

Vamos apenas COMEÇAR a falar de pessoas importantes para o Núcleo Cênico Projeto BaZar.


JULIANNA SANTOS - Está atualmente na equipe de produção do projeto QUE AMORES SÃO ESSES, mas já colaborou como Assessora de Imprensa, captadora de recursos, divulgadora entre outras coisas!



DEBORAH CARLA - nosso setor jurídico rsrs e também nosso apoio moral por muitas vezes (fotografando, filmando, ajudando, estando sempre presente!)


WILTON (mais conhecido como LUDO) - pensa em alguém que faz de um TUDO! é ele!!!


MÁRCIA MARQUES - nossa assessora de imprensa! Amiga, companheira, conselheira, um apoio FUNDAMENTAL ao nosso trabalho!

O NOSSO MUITO OBRIGADO!
Em breve postaremos mais pessoas importantes, pois são muitas!

BAZAR DRAMATURGIA - resultados musicais

DESAFINADO CORO DOS CONTENTES...
Desafinados, fora do tom, mas muito criativos!

Eis as músicas criadas em workshop de dramaturgia:


video
video
video
video

17/12/2009 - GUZIK E NEYDE VENEZIANO

QUE AMORES SÃO ESSES? - debates
Tema: TBC – ARENA
Dia 17/11 às 21h
Convidados: Alberto Guzik e Neyde Veneziano


Neyde Veneziano
Teórica e diretora. Professora de Teatro Brasileiro na Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, destaca-se pelos estudos ligados à área, o que inclui sua presença constante em seminários, simpósios, festivais, além de colaborações ensaísticas nas mais importantes revistas e periódicos especializados.

Alberto Guzik
Crítico especializado e Mestre em teatro pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, ECA/USP, ali defende em 1982 a dissertação TBC: Crônica de Um Sonho, devotado trabalho de reconstituição e análise de toda a produção da companhia paulista que revoluciona o teatro brasileiro no decorrer dos anos 1950. Seu trabalho torna-se livro prefaciado por seu companheiro de crítica Sábato Magaldi.


Fotos:
Crédito: Leandro Caldarelli


Neyde Veneziano falando sobre o TBC e o ARENA a partir da origem do teatro brasileiro e da censura.


Alberto Guzik falando sobre o TBC e a montagem de “A Semente” de 1961.